Filmes estereotipados

Share on Google Plus!

Ontém eu assisti um filme que é uma mistura de games com comédia romantica e escrotidão com um pouco de mangá. Principalmente na hora em que os perssonagens corriam e apareciam aquelas linhas que dão a ilusão de velocidade. O nome do filme é Scott Pilgrim Contra o Mundo e uma mistura de super-heróis coms filmes de banda de rock. Algo clássico na cultura americana – principalmente envolvendo estudantes no grupo – e confesso que o filme não me agradou muito. E não é muito devido aos estereótipos não, mas sim devido ao fato da maneira como aquilo age no meu psicológico. E olha que eu adoro filmes que tendem a ser “trash” como esse. Tanto que eu até gostei do filme As Cronicas de Gnarnia que óbiviamente fica bem claro aqui de que filme se trata a paródia.

O engraçado é que eu sempre gostei de filmes “trash”. Os filmes “trash” costumam misturar uma dose de humor, romance, fofura (em casos, principalmente, de filmes com temática nerd) e muito despreparo. Claro que o filme “Scott Pilgrim contra o mundo” foi bem mais elaborado que “As Cronicas de Gnarnia”. O leão por exemplo… era inerpretado por um cara “fortão e musculoso” na paródia e nas cenas de luta o “double” era um magrela (mais magro que eu). Bem diferente do ator ptincipal. Sem dizer que no original As Cronicas de Narnia o leão era um leão de verdade (senão uma animação ou fantasia bem feita). E na paródia era só um cara musculoso com algumas “penugens” no corpo e um estereótipo bem escroto.

Bom… mas voltando ao filme do começo deste post, o filme é bem esterotipado com um rapaz que toca baixo em uma banda e a vida dele é LITERALMENTE como um jogo de ação e aventura em que ele tem que lutar com os “ex malvados” que são ex-namorados da namoradinha dela que tem super poderes. São sete “chefões” com quem ele etem que lutar e o ultimo é o fundador da liga (ou sociedade) dos “ex-malvados” que implantou um chip em “ramona” para ler todos os pensamentos dela. Durante o filme Scott arrecada pontos e moedas depois de matar cada “chefe” e um “power up” que faz ele subir de nível e/ou ganhar uma vida extra.

O resto é aquela história clássica. O “mocinho” ganha no final. Nada de novo no filme que foi feito só para ganhar dinheiro com bilheteria. Poderiam pelo menos ter caprichado mais. Mais um filme trash que eu resolvi dizer a minha opnião por não ter nada de mais interessante para fazer e por isso eu estou aqui agora digitando esse texto.=P

Uma coisa que eu acabei de descobrir através da Wikipédia foi que o filme foi baseado nas histórias em quadrinhos Scott Pilgrim de Bryan Lee O’Malley. Por isso os traços de “mangá”.

Boa semana!=)